quarta-feira, 23 de junho de 2010

Mar

O mar amanheceu cinza.
O poeta sentiu.
Em seu âmago, sal.
Divagava sua mente.
Imenso lago feito a partir do pranto do mundo.

Ah! navegante de mar infindo!
Tristeza, mar profundo
e a felicidade, porto.

Avante, timoneiro!
Antes que a tormenta chegue.

Anderson Lobo
(aspirante a poeta, cantor da noite e sonhador nas horas vagas)

Nenhum comentário :

Postar um comentário