quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Aldeia Global

O mundo adentra meu universo
Em ondas incessantes de informações.
Torrente de imagens
Sons, culturas, etnias e contradições.
A beleza destruída pela força da grana
O playground bilionário sob o sol, em Dubai
A sangrenta guerra civil na nação africana
O arranha-céu vertiginoso erguido em Xangai.
O mundo é rico, o mundo pobre
A humanidade, uma aldeia global,
Utopia da complexa rede que nos une,
Restrita apenas ao campo virtual.
No ciberespaço sem limites, o mundo está em todo lugar
Mas não ultrapasse seu universo.
Não é permitido tocar
Finja que está interagindo.
Contente-se em apenas olhar.

Anderson Lobo
(pescador de estrelas domador de palavras e alquimista nas horas vagas)

Um comentário :