quarta-feira, 18 de abril de 2012

Mestre Josué e o Canoeiro


Mestre Josué meditava às margens do Rio da Tranquilidade, cujas águas mansas nascidas no seio das Montanhas Nevadas, desciam em profusão por planície verdejante. Envolto em paz, contemplava o céu quando canoeiro, que subia o rio, lhe chamou a atenção.

— Mestre, dizem que és o arauto de boas novas. — canoeiro sorria.

— Saudações, amigo! — mestre Josué disse amistosamente, retribuindo o sorriso — Dizem muito a meu respeito...

— Ouvi dizer que falas sobre o caminho. — canoeiro calmamente manejava o remo pelas correntezas do rio.

— O caminho? — Josué sorriu — Nobre homem, falo sobre um caminho, dentre tantos!

— Leva, então, tua fé aos homens. — canoeiro se distanciava — Sabedoria a teus discípulos, mestre!

O canoeiro guiava sua embarcação pelas águas do Rio da Tranquilidade e o mestre contemplava o calmo movimento da canoa, com a serenidade de quem sente paz.



Anderson Lobo

(sonhador sempre)