domingo, 20 de junho de 2010

Lobo

foto de autor desconhecido


Era um domingo
de melancolia.
O telefone sempre calado
e sons de vozes em casas velhas.
A noite lançava seus tentáculos por todos os lados.
Mas havia verbo!
No peito havia vida.
O cérebro pedia alimento,
ávido por poesia.
Sim, havia bem mais que uma TV
e sua solidão embutida.

Oh pena!
Salve mais um dia de poesia!

Anderson Lobo
(aspirante a poeta, cantor da noite e errante nas horas vagas)

2 comentários :

  1. São nos dias de domingo que as aranhas tecem suas teias. armam uma armadilha mortal e para sempre roubam a alma de suas vítimas. Não existe dor ou sofrimento, apenas a morte paira. E no centro de tudo isso está a aranha, sedenta de sangue e mortalmente fria de pensamentos e sentimentos. Quira eu, não ser mais uma vítima.

    ResponderExcluir